Welink Architects Welink Architects
tendencias-design-interiores-2022

Tendências de Design de Interiores de 2022

Welink Architects

Welink Architects

As tendências do design para 2022: entre revivalismos e a natureza

 

Em 2021 o Design quis apostar na Sustentabilidade e na Natureza. Em 2022 a tendência mantém-se e o mobiliário quer ser duradouro e adaptável - o design quer agora ser intemporal. O mobiliário e a decoração querem adaptar-se a qualquer ambiente e à vontade dos tempos - quer ser ousado mas simples, quer destacar-se e permanecer relevante em qualquer ocasião. Não é de estranhar que, por estas razões, que as tendências para 2022 tenham origem em verdadeiros revivalismos. 

 

Outra das tendências que tem vindo a crescer em grande parte como consequência da pandemia: os escritórios. É uma divisão que ganhou bastante destaque nos últimos dois anos, seja ela um cantinho recatado na nossa sala ou quarto ou uma divisão independente. O design de interiores virou-se para os escritórios e as tendências seguem igualmente os temas da natureza e da sustentabilidade: é preciso que o escritório seja um espaço calmo, limpo e organizado, um espaço optimizado para que o trabalho flua naturalmente. 

 

  1. Design: tendências que viajam no tempo 

 

A recuperação da estética vintage não é uma novidade. A verdade é que nos últimos anos as tendências quer no mundo da moda, quer no mobiliário têm vindo a sofrer uma espécie de viagem no tempo e recuperado estilos que podiam não estar tão em voga: calças à boca de sino, mangas em balão, chumaços, a repetição de padrões e mobiliário kitchI. A nostalgia veio para ficar e o design de interiores já começa a refletir um pouco mais deste revivalismo.

 

As tendências recuperaram os tons alaranjados e vermelhos vivos, tons mais queimados e contrastes fortes. Os padrões também voltaram e brincar com eles é obrigatório - não tenha medo de misturá-los e de repetí-los: encontre um padrão e traga algum psicadelismo à sua casa. Não descarte a hipótese de recuperar a mobília mais antiga que tenha em casa ou até mesmo comprar artigos de decoração em segunda mão e adaptá-los à sua sala. Lembre-se que no que toca a estilos retrô a melhor coisa que se pode fazer é recuperar ou reutilizar aquilo que já temos por casa - a sustentabilidade também é uma parte intrínseca ao estilo retro. 

 

No caso de ser impossível a recuperação de mobiliário ou querer mesmo uma peça específica para a sua casa, pode comprá-la. Estas tendências dão preferência a artigos vintage, afinal nada mais autêntico do que mobiliário da época. 

 

Para encontrar o artigo ideal pode sempre seguir algumas dicas: 

 

  • Visite lojas de antiguidades, feiras e mercados: Estes locais são paragem obrigatória se queremos comprar mobiliário e peças autênticas. As tendências de há 40, 50 anos vão estar nas lojas, feiras e mercados de antiguidades e é aqui que vai conseguir encontrar aquela peça vintage de que anda à procura. A desvantagem é que esta procura em mercados e feiras exigem alguma resiliência da nossa parte, uma vez que são peças únicas e que nem sempre estão disponíveis no momento.

 

  • Faça uma pesquisa por marcas que não sejam tão conhecidas: não é preciso fazer grandes investimentos para acompanhar as tendências deste ano. Procurar marcas que não tenham tanta popularidade pode ser vantajoso, quer em termos de preço quer em facilidade para a adquirir. 

 

  • Comprar vintage online: É possível procurar estas tendências no meio digital. Pode fazer uma pesquisa na internet e encontrar desde roupa a mobiliário, e peças de eletrónica vintage. Mas cuidado, tente sempre perceber se a loja ou pessoa que está a vender é de confiança. 

 

  • Vá a um leilão: um pouco como visitar lojas de antiguidades e feiras, os leilões podem ter peças únicas a preços acessíveis. Hoje em dia existem sites que funcionam exclusivamente com este tipo de modelo de negócio, portanto, com alguma pesquisa, certamente que encontrará algum com peças que goste. Mais uma vez, nada estará mais dentro das tendências de 2022 do que mobiliário e decoração autêntica dos anos 70. 

 

  1. Design inspirado na natureza

 

Também como consequência da pandemia e das tendências de 2021, as plantas vieram para ficar. Além de darem cor e leveza às nossas casas, as plantas purificam o ar e alegram-nos o espírito, afinal quem é que não gosta de ver aquela plantinha que trouxemos durante o primeiro confinamento para casa a crescer? Ter uma pequena selva urbana dentro de casa ou uma horta pode não ser o seu objetivo mas pode entrar nesta tendência com apenas um ou outro vasinho em locais chave: a verdade é que ter uma ou duas plantas na nossa sala ou no nosso quarto traz uma nova vida a estas divisões. 

 

Como qualquer ser vivo uma planta requer algum cuidado e atenção e, dependendo da planta que escolhe pode ter mais ou menos trabalho. As plantas precisam de luz, por muito mínima que esta possa ser, precisam de quantidades específicas de água e humidade e algumas até precisam de ser podadas com regularidade. Tenha em atenção duas dicas que consideramos fundamentais para qualquer planta:

 

  • Luz: Só deve ter plantas em locais onde consiga ler uma página de um livro com luz totalmente natural. É o mínimo que qualquer planta precisa. Se está a considerar arranjar uma planta para um corredor sombrio em casa, talvez seja melhor optar por plantas secas, quadros ou fotografias. 

 

  • Humidade do solo: não sabe se a sua plantinha precisa de ser regada? Dependendo do tipo de planta pode ser altura a regar: meta um dedo no solo do vaso, se estiver completamente seco está na altura de a regar. 

 

Para simplificar a escolha da plantinha certa para si seguimos com algumas sugestões de plantas de baixa manutenção: 



  • 1.Philodendron scandens: Uma planta trepadeira, que se adapta bem em ambientes com pouca luz. 

 

  • Ficus lyrata: Uma árvore rústica e bonita que precisa de bastante luz e de rega semanal. 

 

  • Monstera Deliciosa: Uma das plantas mais comuns. Tem uma folha com uma forma única, com buracos que faz lembrar um Queijo Suiço. Dá-se bem em locais de pouca luminosidade e precisa de regas regulares: o segredo está em por o dedo na terra para avaliar a humidade. Se a terra não estiver humida, é sinal que é tempo de regar a sua Monstera. 

 

  • Palmeiras: As palmeiras são um clássico e vêm em todas as formas e tamanhos. Gostam de sol mas de luz solar direta. 

 

  • Espadas-de-São-Jorge: Dizem que absorve a negatividade, esta planta prospera sob luz solar indirecta e com rega pouco frequente.

 

  1. Aproveitamento do espaço 

A maioria dos apartamentos são hoje pensados como um “open space", ou seja, serão poucos os apartamentos com uma divisão destinada a um objetivo específico. O aproveitamento do espaço é uma das tendências, em especial no meio urbano, que veio para ficar. 

 

Mais uma vez a Pandemia tornou as nossas casas um espaço multifuncional: ginásio, cozinha, espaço de lazer, de descanso, de trabalho, enfim. Tudo o que fazíamos fora de casa passou a ser feito em casa e é natural que as tendências de 2022 tragam esse aspeto para o centro da discussão. 

 

Assim sendo o design de interiores passou a focar-se em funcionalidade e ergonómica e em privacidade: paredes e portas de vidro e metal, biombos e cortinas são algumas das tendências para criar divisórias em casa que permitem a criação e adaptação do espaço às necessidades específicas de cada família. 

 

  1. Minimalismo 

Em linha com a sustentabilidade e o design de inspiração natural, o minimalismo é outra das tendências que veio para ficar. No geral todos aproveitaram a pandemia para fazer verdadeiras limpezas em casa e perceber o que era para se manter em casa e o que já não precisavam. Os espaços tornaram-se mais limpos ou pelo menos houve essa tentativa. 

 

O minimalismo que falamos não é o minimalismo de revista: as tendências  mesmo tentar organizar o espaço com o absolutamente necessário. O objetivo é libertar espaço - organizá-lo de forma funcional e conseguir que as divisões pareçam arejadas. 

 

Atenção, o minimalismo é uma tendência que pode ser mal interpretada. Isto é, não se trata apenas de uma limpeza do espaço e de uma simplificação das formas. O minimalismo é uma tendência que precisa de alguns contrastes e algum ousadismo: mobiliário com formas dinâmicas como por exemplo um sofá com acabamentos redondos, mobiliário e decoração com cores contrastantes. 

 

Aliás a cor é um dos aspetos mais importantes dentro desta tendência. A paleta de cores deve ser simples entre o bege e o cinzento, por exemplo. 

 

E claro, evite os impulsos quando compra mobiliário e quando está a criar o seu espaço minimalista. É uma tendência ligada à sustentabilidade, portanto não faria sentido comprar algo cuja utilidade terá os dias contados. 

É arquiteto?

Registe sua empresa na primeira plataforma para arquitetos