Welink Architects Welink Architects
portfolio-de-arquitetura

Como criar um Portfólio de Arquitetura eficaz?

Welink Architects

Welink Architects

Como criar um Portfólio de Arquitetura eficaz?

O portfólio é o cartão de visita do arquiteto. Dá uma visão geral de todos os projetos que completaram ao longo da sua carreira e contém uma versão detalhada do seu CV. É, portanto, necessário atualizá-lo regularmente.

 

No entanto, o objetivo não é enviar um ficheiro muito denso e exaustivo a cada cliente, mas sim retirar dele para criar uma carteira personalizada de acordo com o projeto. Esta carteira personalizada conterá apenas os elementos relevantes que possam interessar ao cliente e ajudá-los a planear o seu projeto. 

Mantenha-o simples

Para que a sua carteira tenha sucesso, é essencial colocar-se no lugar do cliente que recebe muitas carteiras. Tem de se destacar da concorrência sem parecer pretensioso. 

 

A sua carteira pode ser digital ou impressa, mas em qualquer caso, tem de cumprir determinadas regras para ser eficaz e marcante.

 

Pense de forma simples e sóbria. Evite o formato A3, que é difícil de manusear, utilize formatos PDF clássicos e evite layouts complicados com elementos a serem dobrados e desdobrados. O seu cliente deve conseguir ter uma boa primeira impressão do seu trabalho em apenas 3 minutos. 

 

A sua carteira deve, portanto, refletir rapidamente o âmbito e a qualidade do seu trabalho e destacar as suas competências. Vá direto ao assunto e faça sobressair-se com poucos mas significativos elementos.

Preste atenção à disposição

Manter a simplicidade não significa negligenciar o layout. O portfólio deve refletir as suas qualidades gráficas e o seu sentido de detalhe e precisão, que são qualidades essenciais para um arquiteto.  

 

Mantenha o estilo gráfico, cores, fontes e estilo consistentes em todas as páginas do portfólio. 

 

Não sobrecarregue estas páginas com demasiados elementos e escolha fotografias que sejam óbvias para compreender e exijam o mínimo de legendas possível. Não deve escrever textos longos, mas sim ser breve e conciso, para que quem ler o seu portfólio possa ter uma ideia de cada projeto quase num relance. 

 

Com exceção da página que contém o seu CV, o seu portfólio deve conter o mínimo de texto possível. Mantenha-o num nível mínimo. Selecione cuidadosamente fotografias, ilustrações e esboços e tente contar uma história visual para cada um dos seus projetos concluídos. 

 

As fotografias e outros elementos visuais farão com que os seus clientes queiram ler os elementos de texto do seu portfólio. No entanto, é aconselhável evitar sobrecarregar as páginas com demasiados elementos. Guarde apenas as fotografias, esboços e ilustrações mais significativas. 

 

O melhor é escolher uma linha de orientação que reflita o seu trabalho e aderir a ela. 

Acrescente um toque pessoal ao seu portfólio 

Se tem uma paixão pelo design e arquitetura, não hesite em mencioná-la no seu portfólio. Mesmo que não o faça, na última página, considere incluir elementos que ilustrem a sua personalidade e os seus interesses. Se o cliente hesitar entre vários prestadores de serviços, é a sua personalidade que fará toda a diferença e os fará querer trabalhar consigo. 

 

Ter uma boa carteira é essencial para um arquiteto à procura de novos projetos. É a principal vitrine do seu trabalho que lhe permite destacar-se dos concorrentes.

 

Deve destacar as suas competências, o seu talento e a sua personalidade. Para ser o mais eficaz possível, deve partir do princípio de que 1 projeto = 1 carteira. Portanto, deve criar uma carteira geral e oferecer uma versão reduzida e personalizada a cada cliente, de modo a visar as suas expectativas e mostrar que está qualificado para gerir o seu projeto.

É arquiteto?

Registe sua empresa na primeira plataforma para arquitetos